Lombalgia (dor lombar) e lombociatalgias (dor lombar + dores nos membros inferiores)   « Voltar
 

Vértebras lombares: Diversas situações podem causar problemas nas vértebras lombares, desde problemas posturais, falta de ergonomia no trabalho, traumas e esforços. A articulação facetária (direciona o movimento) é a mais acometida, causando dores em pontadas e a limitações dos movimentos. Além disso, as vértebras lombares são responsáveis pela inervação de todas as estruturas na região abdominal, lombar e membros inferiores (ossos, músculos, vasos e vísceras). Os problemas discais como hérnias discais podem causar compressão neurológicas e causar dores locais que irradiam para o membro inferior. As degenerações articulares, osteófitos e espondiloartroses também podem causar as mesmas dores da radiculopatia das hérnias discais, pois lesam também os nervos que passam pelo forame intervertebral. 
Durante a crise de lombalgia e lombociatalgia, é comum o paciente adotar uma posição antálgica (inclinação da região lombar com compensação do corpo inteiro).

Tipo de dor: Dor que agrava em determinados movimentos, ao alongar os membros inferiores, ao fletir ou extender a coluna lombar. As dores podem irradiar até os pés, geralmente predominante em um dos membros inferores. Pode desenvolver irradiação para a região glútea, com parestesias (formigamentos). Se o problema for grave ou perdurar por muito tempo, podem  apresentar também problemas viscerais, como problemas intestinais, uroginecológicos e genitais.

Últimas costelas: As últimas costelas possuem íntima relação com a lombar principalmente por que elas se articulam com as últimas vértebras torácicas, e os nervos que saem dessa região são responsáveis pela sensibilidade lombar, por isso se houver uma difunção tóraco-lombar consequentemente causará dores lombares. Nas últimas costelas se inserem músculos que chegam até a pelve e passam por toda região lombar como é o caso do quadrado lombar. As disfunções costais devido a traumas, podem aumentar o tônus muscular e consequentemente gerar dores lombares.

Tipo de dor: Dor ao realizar movimentos principalmente de inclinação e rotação, ao respirar. As dores podem irradiar para a região glútea.

Articulação Sacroilíaca: A última vértebra lombar se articula com o sacro. Todos os problemas sacrais se repercutem na lombar e vice-versa. A lesão sacral é muito comum, geralmente decorrente de uma queda sentada. Além dessas estruturas se articularem, existem músculos e ligamentos importantes que ligam o sacro com a lombar (ligamentos sacroilíacos, fáscia tóracolombar e ligamentos íliolombar), tornando ainda mais íntima essa relação. Outro fator é a relação do sacro com ao osso ilíaco, esse osso é parte do osso da pelve, que se articula diretamente com a coxo-femoral. Portanto problemas nos membros inferiores podem chegar até as regiões lombares.
Existe um músculo importante que se insere no sacro, que se chama piriforme, ele é responsável pela síndrome do piriforme (ou piramidal), onde a sua tensão comprime o nervo ciático causando dores no membro inferior confundindo com as ciáticas verdadeiras.

Tipo de dor: Dor ao sentar, fletir ou extender o tronco, podendo ter irradiações e dores nos membros inferiores e glúteas. Pode desenvolver ciatalgias ou “falsas ciáticas”. Ou ciáticas verdadeiras por irritar o nervo L5-S1.

Músculos: Alguns músculos são importantes para a região lombar (multífidos, músculos profundos, paravertebrais, quadrado lombar e psoas). Eles possibilitam a relação das vértebras lombares aos ossos da pelve (sacro e ilíaco), membros inferiores, últimas costelas. Lembrando sempre que existem músculos anteriores e posteriores para o perfeito equilíbrio e estabilidade lombar. Os problemas musculares podem causar dores e problemas articulares em diversas regiões. Vale ressaltar a importância do psoas na inervação dos membros inferiores, pois o plexo lombar antes de chegar às pernas transpassa a musculatura, por isso desequilíbrios musculares podem causar problemas neurológicos.

Tipo de dor: Dor ao realizar contrações, pressões e alongamentos musculares, com limitação dos movimentos. Como diversas musculaturas estão perto de vísceras e nervos importantes, podem irradiar dores para a região abdominal, pélvica e membros inferiores.

Ligamentos: Os ligamentos são responsáveis pela estabilização das vértebras lombares, limitar e direcionar os movimentos vertebrais. Os ligamentos também referem dores, principalmente o ligamento comum vertebral posterior (localizado anteriormente à medula), o ligamento amarelo (localizado posteriormente à medula), interespinhal, íliolombares, sacroilíacos e fáscia tóraco-lombar. Esses dois ligamentos são inervados, portanto passíveis de desenvolver dores. O ligamento comum posterior pode ser lesado por um problema discal (o disco pressiona o ligamento, mas em casos de hérnias acabam lesando o ligamento podendo chegar até as raízes nervosas). A maioria dos ligamentos são lesados por um trauma, problema postural geralmente em flexão (estiramento) do tronco, que altera o equilíbrio tecidual ligamentar. O comprometimento da raiz nervosa pode gerar um problema ligamentar, pois o mesmo, inerva todas as estruturas do segmento vertebral.

Tipo de dor: Dor ao realizar flexão ou extensão, ao caminhar, mas depois de aquecer essa dor tende a diminuir, pode ter irradiações para os glúteos e região trocantérica (parte proximal do fêmur). Dói ao realizar alongamentos na região lombar flexão (ligamento amarelo) extensão (ligamento comum vertebral posterior).

Nervos: Tem grande importância nas principais sintomatologias, uma vez que são responsáveis por tudo, sensibilidade, contração muscular, sensação de dor, tudo. Mas as pessoas ainda confundem esses tipos de dores, pois é estranho entender uma dor neurológica. Podem ser causados por tensões musculares que irritam os nervos (psoas), hérnias discais com compressão neurológica e ligamentar (ligamento comum vertebral posterior), degenerações articulares (osteófitos e espondiloartroses) que podem causar lesões neurológicas.

Tipo de dor: Dores difusas, muitas vezes a pele se apresenta sensível e extremidade óssea dolorida (ponta dos ossos). Pode apresentar dores em faixa e irradiada para as pernas podendo chegar até os pés, os formigamentos estão associados. Posição antálgica para proteção neurológica. 

Problemas digestivos: O fígado em especial pode causar dores lombares porém sem ser inervado pela região (sua inervação é torácica). Mas ele apresenta uma relação vascular com o intestino e todas as vísceras abdominais, pois a veia porta que capta o sangue visceral, passa pelo fígado antes de ir para o coração. Problemas hepáticos alteram a vascularização abdominal causando dores lombares pois diversas vísceras são inervadas pela região lombar (plexo lombar).

Tipos de dor: Dores difusas que podem se espalhar pela lombar, abdominal, cervical e torácica. Com sintomas de problemas digestivos, hepáticos, estomacais e intestinais.

Problemas intestinais: O intestino é inervado pelos nervos da região lombar (simpático – gânglio mesentérico inferior e parassimpático – vagal e sacral). Por isso que os problemas intestinais referem dores lombares, e é muito comum irradiar dores nos membros inferiores, causando falsas ciáticas.

Tipos de dor: Dor contínua que agrava com a constipação intestinal e em determinados momentos do dia. Alivia ao evacuar. Os sintomas intestinais geralmente estão associados como dores abdominais, gases, constipação, diarréia.

Problemas vasculares: A região lombar é vascularizada pela artéria aorta abdominal, artérias ilíacas, veia cava inferior e veias ilíacas. Problemas vasculares podem causar dores diretas na coluna lombar ou irradiadas decorrente de disfunções viscerais de origem vascular. A diminuição da nutrição tecidual, acaba gerando processos isquêmicos em várias estruturas, incluindo ósseas, musculares e viscerais, que informam o problema ao sistema nervoso gerando dores difusas.

Tipos de dor: Dor difusa, constante ou pulsada, que pode agravar ao realizar atividades físicas ou ao realizar ingestão medicamentosa vasoativa. Dor de difícil localização, e é associada a uma sensação de cansaço e peso na região.

Problemas uroginecológicos: A bexiga, útero e próstata, são inervados pela região lombar (gânglio mesentérico inferior e hipogástrico – L1-L5 e plexo sacral - parassimpático). Isso justifica os pacientes que apresentam infecções na bexiga, problemas prostáticos e nos períodos pré-menstruais, geram dores lombares. Além da relação neurológica, esses tecidos possuem ligamentos que se inserem diretamente na região sacral e lombar, que podem tensionar quando apresentam problemas orgânicos.

Tipos de dor: Dores intermitentes com períodos de agudização, com pouca limitação articular, geralmente estão associados problemas uroginecologicos, cistites, dores abdominais, dismenorréia, prostatites, entre outras.

Problemas renais: Os rins são inervados pelo gânglio aórtico renal ou intermesentérico, localizado na região de T11-T12. Essa região é importante pois emerge a inervação dos dermátomos lombares. Além disso as disfunções renais causam espasmo do psoas que está localizado inferiormente aos rins, o músculo refere dores lombares (vide problemas musculares), e a vascularização pode ser alterada e isso desenvolver dores na lombar pois as artérias e veias renais emergem da mesma região onde se localiza a vascularização lombar.

Tipos de dor: Dores contínuas, fortes, limitantes, que estão associadas a problemas renais, com sensibilidade na pele.

 
 
Novas instalações ...
Estamos iniciando uma nova etapa em novas instalações. Venha nos visitar e conhecer nossa estrutura....