Dor no tornozelo e pé   « Voltar
 

Tíbia: É muito importante para a mecânica articular do tornozelo. Ela se articula com o tálus, permitindo os movimentos de flexo-extensão do pé e através dos ligamentos possui uma relação biomecânica com o navicular, calcanho e cubóide, ou seja, a mecânica articular do pé. É comum após torções ou traumas tanto no tornozelo quanto no joelho o paciente referir dores fortes, no tornozelo e no joelho. A articulação tibiotalar, é comumente lesada nas torções do tornozelo.

Tipo de dor: Dores ao movimentar o pé com grande limitação articular, dor ao pisar e apoiar o peso sobre o pé lesado. Geralmente as dores do pé desenvolvem posteriormente dores no jolho.

Fíbula: A fíbula participa em todos os movimentos do tornozelo. É uma estrutura que faz a “ligação” do tornozelo ao joelho. É comumente lesado em torções do pé, tanto em inversão quanto eversão. Um bloqueio fibular causado por algum trauma pode acarretar em stress articular dos ossos do tornozelo e pé. A fíbula se insere no pé e no joelho através de uma vasta trama ligamentar

Tipo de dor: A dor se agrava principalmente com os movimentos do pé, podendo ser local (articular) ou difusa (ligamentar). Pouca limitação articular. É normal referir dor no joelho após uma lesão em torção do pé e vice-versa.

Ossos do pé: Os ossos mais importantes que podem causar dores no tornozelo e no próprio pé são: tálus, calcâneo, navicular, cubóide, cuneiformes e metatarsos. Todos esses ossos se relacionam entre si para possibilitar uma boa mobilidade ao tornozelo e pé. Têm íntima relação com as lesões da tíbia, fíbula e joelho. Outro fator importante é a postura, traumas, torções, deformidades no pé, podem acarretar em um problema postural grave em todo corpo, pois o pé é o pilar estrutural, o corpo precisa se adaptar às suas lesões.

O calcâneo recebe inserções musculares importantes do pé e da perna e da coxa (posterior), como os flexores curto dos dedos, quadrado plantar, gastrocnêmio, sóleo e lumbricais, após um trauma, é comum referir dores musculares além das articulares. Desenvolve dor na descarga de peso, é o principal osso do processo de esporão calcâneo, é importante para toda a parte postural do corpo pois é o principal osso de apoio dos pés.

O navicular e o cubóide são importantes para a ação da manutenção do arco plantar. Recebem grandes cargas durantes as torções do pé, podem causar dores no pé e tornozelo. Os dois ossos possuem uma íntima relação com entre eles, pois a biomecânica rotacional depende do  bom funcionamento articular de ambos.

Os cuneiformes, são três ossos localizados entre os ossos navicular e cubóide e os metatarsos. São responsáveis em organizar o pé, pois a articulação dos metatarsos são muito móveis em contrapartida, na parte posterior estão localizados os ossos menos móveis (navicular e cubóide), por isso é uma zona de grande stress.  Os problemas nessa região afeta toda mecânica do pé, pois tira a mobilidade torciona do mesmo.

Os metatarsos e falanges são ossos longos, localizados na região do antepé. Os metatarsos diferentemente das falanges são responsáveis por uma grande quantidade de inserções musculares. São ossos bem móveis, e na região distal dos metatarsos recebe uma boa parte do peso distribuído pelo pé. Entre os metatarsos é comum encontrar os neuromas de mortons, são lesões dos nervos digitais plantares por um aumento do atrito dos tecidos musculares e neurológicos, geralmente acometem mulheres que usam muito salto. Falanges são ossos bem articulados que permitem o apoio final dos pés, são exigidos na fase de impulsão da marcha. É muito comum encontrar problemas articulares, decorrentes de torções, traumas e entorses dos dedos.

Tipo de dor: É uma região bem importante, pode acarretar além das dores no tornozelo, pé e joelho, dores no corpo inteiro, pois nosso corpo se não houver um apoio adequado, provavelmente se adaptará de forma incorreta. Dor ao realizar movimentos e muita limitação articular. Pode apresentar dores ao alongar e ao descarregar o peso nos pés. Dores fortes pela manha ou no inicio dos exercícios.

Músculos: Alguns músculos podem causar dores no tornozelo e pé, os principais são: psoas, piriforme, sóleo, tibial posterior, tibial anterior, fibulares, flexores longo e curto dos dedos, lumbricais e interósseos.

O piriforme é importante por que todos os nervos que inervam o tornozelo e pé se iniciam na região lombosacra (plexo sacral), obrigatoriamente passam pelo músculo. Problemas na musculatura podem causar dores em todo membro inferior. O piriforme pode ser lesionado de diversas formas, traumas, posturas, problemas viscerais e vertebrais.

Sóleo, tibial posterior, anterior e os fibulares apesar de se localizarem na perna, com inserção tibial ou fibular, são responsáveis diretos pela mobilidade e dores referidas na perna e no tornozelo. Se não souber realizar uma boa avaliação, não acharão a causa por estar localizados em regiões distante das dores. Torsões no pé, geralmente geram espasmos dessas musculaturas, ou esporte repetitivo como corrida.
Interósseos, lumbricais e flexores dos dedos, podem ser lesionados por contrações mantidas, torsões e traumas. Calçados mal adequados também podem gerar espasmos dessas musculaturas, gerando disfunções. Esses músculos mantém íntima relação com os nervos interósseos.

Tipo de dor: O paciente apresenta dores na região pélvica e no membro inferior, perna e pé. Essa dor tem uma característica muscular (dores ao realizar a contração) e neurológica (dói a ponta do osso, e a pele fica sensível), neurológica pois alguns nervos passam bem rente à musculatura afetada. Dores ao realizar a contração ou quando mobiliza a articulação do tornozelo ou pé, dependendo da lesão muscular.

Nervos: Tem grande importância nas principais sintomatologias, uma vez que são responsáveis por tudo, sensibilidade, contração muscular, sensação de dor, tudo. Mas as pessoas ainda confundem esses tipos de dores, pois é estranho entender uma dor neurológica. Temos que entender que o nervo ironicamente são inervados e recebem intensa vascularização que podem ser prejudicados por lesões em compressão de determinadas estruturas como é o caso dos discos articulares (hérnias discais, protusões), ossos (espondiloartroses, osteófitos, costelas, clavícula) musculares (piriforme, peitoral menor, sóleo, etc..) e espessamento das aponeuroses neurológicas decorrente de traumas, e cicatrizes.

Os nervos que chegam até os pés começam na região sacral, por isso a dor nervosa dos pés tem íntima relação com as lesões de sacro e do piriforme (visto anteriormente em lombalgias).

Nervos tibial e fibular fazem a inervação específica do pé que se inicia na região lombo-sacra. Torções, traumas espasmos musculares (sóleo, tibial anterior, tibial posterior, flexor longo dos dedos) e problemas articulares na tíbia, fíbula e nos ossos do pé, podem afetar a inervação e causar dores e sintomatologias parecidas com musculares e articulares.

Tipo de dor: Dores difusas, muitas vezes a pele se apresenta sensível e extremidade óssea dolorida (ponta dos ossos), pode ter inchaço nos pés e sensação de dormência. Pode estar associado dores na lombar e no joelho.

Ligamentos: Os ligamentos dos pés são importantes para permitir a sua mobilidade ao mesmo tempo manter a sua estabilidade. Os ligamentos mais lesados estão localizados entre a tíbia/fíbula e o calcâneo, são comprometidos nas torções.
Tipos de dor: Dores ao apoiar e mexer os pés com restrição da mobilidade. Relação pós trauma e torções do tornozelo.

 
 
Novas instalações ...
Estamos iniciando uma nova etapa em novas instalações. Venha nos visitar e conhecer nossa estrutura....